Massa, mariscos e um retorno com estilo!

Aquela sensação de voltar ao seu lugar de origem, quase que ao berço, sabe?

Estava longe da cozinha por um tempo, mas com muitas idéias na cabeça e vontade e inspiração de sobra. Por sorte, no mesmo dia as compras da feira renderam camarões e lagostins fresquinhos.

IMG-20131103-WA0016

Essa receita foi inspirada numa panqueca que comi em um restaurante, de camarão com molho vermelho e eu estava ansioso para jogar tudo na panela. Eu usei:

  1. Fusilli (parafuso) para duas pessoas;
  2. Molho de pimentões assados (pronto ou caseiro);
  3. Tomates pelados;
  4. Alho, cebola, sal, cheiro verde e manteiga
  5. Camarão à vontade;
  6. Lagostins de acordo com a fome e a gula 🙂

Bom, com a massa já na água, precisava aprontar o molho e o acompanhamento. Então vamos por partes:

Para o molho, primeiro frite os camarões e reserve. Na mesma frigideira, frite uma cebola bem picadinha, alho, sal e pimenta do reino com azeite e um pouquinho de manteiga. Os pimentões assados nesse caso foram de um molho pronto italiano que ganhei de presente, mas super fáceis de fazer também. Basta assar alguns pimentões (utilizei vermelhos) e quando estiverem bem macios, basta processá-los e levar ao fogo com alho, azeite e acertando o sal. Pronto.

Acrescentei duas colheres bem generosas do molho de pimentões e uma lata de tomates pelados, acertando o sal e a pimenta. Deixe reduzir para que fique um molho bem espesso e rústico. Acrescente os camarões novamente e reserve.

Os lagostins são super fáceis e rápidos de fazer. Em uma vasilha misture manteiga em temperatura ambiente, alho amassado à gosto, ervas à sua preferência, pimenta do reino e sal. Com os lagostins cortados no comprimento (vide fotos), espalhe a mistura da manteiga por cima e leve ao forno à 250º e pré aquecido por cerca de 10 minutos. Não deixe muito tempo ou eles passarão do ponto.

Massa no molho, e acompanhamento por cima. Salpique salsa fresca bem picadinha e parmesão ralado 🙂

IMG-20131103-WA0011

Para acompanhar, sugiro essa Colomba Witbier, não filtrada. Importada de Córsega, localizada no Mar Mediterraneo de administração Francesa.

IMG-20131103-WA0010_

Anúncios

Da costelinha de porco ao ovo perfeito

Ovo perfeito? Tá loco? Juro procê.

Lendo o DigaMaria esses dias, me deparei com uma receita que me despertou muito apetite e vontade de fazê-la em casa. Na verdade é uma soma de duas receitas.

Essas duas receitas me encantaram muito e devo confessar que a tabela para o cozimento do ovo e a escolha do ponto funciona (vejam nos links do DigaMaria)!

Em mais uma noite ociosa em casa e com a inspiração à mil, decidi testar tudo para poder fazer outro dia com perfeição. Pois então, juntei todos os ingredientes e parei. Parei pois a fome já estava falando alto. Então resolvi fazer um petisco antes para me acompanhar no processo da outra receita.

DSC_5128

Achei uma costelinha de porco na geladeira, que havia sido feita no dia anterior e resolvi dar uma incrementada com um molho agridoce. Cortei uma cebola em rodelas e fritei no azeite e quando estavam transparentes juntei a costelinha e mais: pimenta do reino, nóz moscada e uma pitada de canela (sim, canela), e pimenta tabasco (eu tinha a Garlic, mas podem usar qualquer uma, dependendo de quão picante quiserem). Logo depois, coloquei uma colher de ketchup e uma de mel. As medidas podem variar muito, mas como eu não estava seguindo receita, ficou muito bom. Pra acompanhar, fiz umas torradinhas de pão integral e uma mostarda escura que também encontrei na geladeira.

Feito isso, mais uma gelada no copo, parti para o prato principal, que ainda era um teste da minha capacidade de seguir receitas e tabelas de tempo de cozimento.

Dica: Nomade Scotch Ale. Uma chilena bem encorpada que ganhei da namorada Smiley piscando.

image

A receita completinha vocês podem ver nos links lá em cima, mas no meu caso, usei um capellini integral e o ovo cozido com gema mole da segunda receita.

DSC_5119

As medidas de manteiga, creme de leite e a xícara de água do cozimento fazem toda a diferença no resultado final, então sigam!

Quanto aos testes, realmente foram úteis. Entre alguns erros de execução, vou contar só que quebrei um ovo dentro da água, soltando ele com medo de me queimar. Ok né.

Aquela trilha:

Weep for yourself, my man,
You’ll never be what is in your heart
Weep little lion man,
You’re not as brave as you were at the start
Rate yourself and rake yourself,
Take all the courage you have left
Wasted on fixing all the problems that you made in your own head